Correios presta homenagem ao Zé Maria, “Lolé”


Um dos nossos vizinhos da rua Santa Maria 111,no bairro Além Ponte era a dona Calisa. O José Maria Monteiro Martins, sempre chamado de “Lolé” pelos amigos, tinha um dom especial de elaborar artes com gravuras. Seja nas empresas onde trabalhou ou em iniciativas que tinha como colaborador junto a entidades filatélicas. Recordar do saudoso Lolé é reviver a sua família em muitos anos da minha infância e juventude.

Na trajetória da vida Silvio Rosa Santos Martins, filho do Zé Maria, Lolé, mantém a história viva do pai. Um dos fatos que destaco é a homenagem dos Correios, em janeiro de 2021, com a “Série Grandes Nomes da Filatelia Brasileira”. Os selos com as imagens que ilustram esta edição do José Maria Monteiro Martins emocionam todos que o conheceram. Passa uma história na cabeça.



O filho Silvio seguiu os passos do pai. É Filatelista temático, pesquisador da história de Sorocaba e do Brasil e fotógrafo profissional. Membro do Gabinete de Leitura Sorocabano e atuante nos meios sociais da cidade. Silvio neste final de ano de 2020 relembrou do pai ao montar o presépio em sua casa. Há 26 anos sempre tinha a presença do Lolé ao seu lado.

Em 2012 Silvio montou uma exposição “Os carimbos do meu pai” que pretende virar um livro em homenagem ao pai José Maria. O artista plástico Lolé durante 50 anos ilustrou Carimbos Postais Filatélicos do Brasil. Adolfo Frioli um dos filatelistas mais antigos de Sorocaba reconhece nessa homenagem dos Correios uma justa e merecida atitude ao artista Lolé. Em maio de 2020 ele pintou o seu último  quadro com uma cabana na beira de um lago iluminado pela luz da lua. Assinava como Zé Maria.


Lolé nasceu em 19 de junho de 1941e era casado com Antônia Maria Rosa Martins. Tinha os filhos Erica Maria, Elisete Maria, Silvio, Fernando José e Euclides Neto. Avô de quatro netos. Começou profissionalmente na Indústria Textil Votorantim nos anos 50 e posteriormente na Cia Nacional de Estamparia. Detalhe: sempre na área de criação artística com as suas criações de desenhos e estampas dos tecidos. Sua trajetória teve nos anos 70 a presença da empresa Faço até a sua aposentadoria. Sempre trabalhando com suas penas e pincéis, Lolé ou Zé Maria, como assinava, ingressou no Clube Philatélico Sorocabano em 1970. Perdemos um amigo e Sorocaba um artista nato que engrandeceu a cidade com as suas artes. Hoje ilustra os cenários do paraíso e os selos dos Correios.


Foto dos selos em homenagem ao José Maria Monteiro Martins e suas atividades em família

Vanderlei Testa jornalista e publicitário escreve aos sábados no www.jornalipanema.com.br e no www.blogvanderleitesta.com e www.facebook.com/artigosdovanderleitesta

 

 

Comentários

  1. Bela homenagem, Vander. Tambem convivemos com Ze Maria desde que ińgressou no nosso Club Philatelico, ainda na sede da rua Santa Clara. E depois no Diario de Sorocaba, onde por anos atuou como arte finalista free lancer poŕ anos ao
    Lado de Neno Grosso (Francisco Miguel Grosso).

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Renata e Seide, duas perdas irreparáveis

Vá em paz, Bottesi !

Médico Fernando de Barros Oliveira, 50 anos de missão