Brasilia e Armando, 50 anos de mãos dadas


Brasília e Armando Ponce: 50 anos de mãos dadas             

Dois jovens caminhando de mãos dadas na entrada da Igreja de São Benedito, na vila Carvalho. Essa cena há 50 anos no dia 14 de dezembro de 1969, em um domingo ensolarado, às 10 horas, registrava o momento maior da vida conjugal de Brasília Gemente e Armando Sanches Ponce. No altar, o padre Jaime dava as boas vindas aos noivos integrantes do Movimento de jovens da paróquia. A benção nupcial do sacramento do matrimônio sob os acordes da Ave Maria entoada pelo coral no som do órgão, enchia o espaço da igreja com a melodia divina na presença espiritual da Sagrada Família. Essa imagem de José, Maria e o Menino Jesus faz parte do lar Ponce. A leitura da Palavra do evangelho de Mateus, citando a casa construída sobre a rocha com a presença de Deus, faz parte na vida do Brasília e Armando e permanece viva até hoje. Eles souberam ouvir e gravar em seus corações essa mensagem que os levou a edificar o seu matrimônio na fé.
Família reunida com filho José Alfredo, Fernanda e netas Mariana e Maria Luíza

Neste sábado, dia 14 de dezembro de 2019, às 11 horas da manhã, eles irão ao altar da Igreja de Nossa Senhora Auxiliadora para renovar o compromisso do matrimônio. São cinco décadas repletas de desafios e vitórias construídas com orações diárias e perseverança na harmonia conjugal. Sob os olhares emocionados do filho José Alfredo e a nora Fernanda Monteiro, suas filhas Mariana e Maria Luiza e, de dezenas de amigos da Comunidade dos Salesianos e do Movimento das Equipes de Nossa Senhora repetirão o Sim de sua aliança do amor eterno. Os padres Sabino e João Orsi enaltecerão em suas palavras de bênçãos ao casal, a vida de família cristã que testemunham alicerçadas na fidelidade vivenciada por Brasília e Armando.


Atuantes como casal palestrante nos Encontros de Casais com Cristo e Movimento das Equipes de Nossa Senhora e Cursos de Noivos, a Brasília e Armando reúne páginas de uma história iniciada na adolescência com sonhos da paixão do primeiro olhar apaixonado dos bancos escolares. 

Brasília e Armando são membros das Equipes de Nossa Senhora há décadas

Jovem, o Armando era aprendiz no Banco Mercantil e estudava a noite para ser Contador. O desejo de namorar a Brasília o levou a conversar com os pais dela para conseguir a autorização. Conquistada a aprovação, tinha regras a seguir. Namoro em casa e sempre acompanhado dos familiares. O amor falou mais forte e durante anos foram fiéis ao compromisso de estarem caminhando juntos na fidelidade dos ensinamentos cristãos. Sem recursos financeiros, foram ajudados pelos irmãos e pais e marcaram o casamento. O terno emprestado do irmão Manoel, a casa alugada e a lua de mel para Águas de São Pedro, com ida ao hotel, de carro “Fusca” de amigos e, retorno de ônibus com direito a ouvirem um passageiro cantando ópera no trajeto até Piracicaba, são algumas das recordações que hoje preenchem o livro de recordações daqueles dias de 1969. Ao completarem os seus 50 anos de casados, com várias viagens realizadas à Europa e peregrinações com amigos da paróquia e da Associação de Maria Auxiliadora- ADMA, a santuários marianos, eles se realizam com a família e as netas.


Peregrinação com a comunidade salesiana e padre Sabino

Sou testemunha há mais de 25 anos que eles vivem felizes e continuam a testemunhar com muitos casais jovens em grupos de formação conjugal. A Santa Vitória brindou literalmente as Bodas de Ouro de Brasília Gemente Ponce e Armando Sanches Ponce, com a gratidão de suas palavras a Deus,  em afirmarem diariamente: “O Senhor fez em nós maravilhas, Santo é o seu nome”.


 Juntos em Fátima na procissão das velas

 

Vanderlei Testa jornalista e publicitário escreve aos sábados no www.facebook.com/artigosdovanderleitesta e www.jornalipanema.com.br/opiniões  

Escreve no Jornal Cruzeiro do Sul  artigos quinzenais e no Blog Vanderlei Testa 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O sargento Cido partiu como um guerreiro da paz

Na véspera do Dia dos Pais, a despedida do amigo João Aguiar

Vá em paz, Bottesi !