De Dom Aguirre a Dom Akamine


 Dom Aguirre a Dom Akamine

Por Vanderlei Testa

O Jornal Cruzeiro do Sul já completou 116 anos de existência. Começou em 1903. A sua história de jornalismo impresso de Sorocaba nos seus primeiros 21 anos, teve como um dos destaques a posse do primeiro Bispo Diocesano Dom José Carlos de Aguirre. Ele iniciou uma trajetória de evangelização a partir de 1924 que chega aos dias atuais. O centenário Cruzeiro do Sul, ao qual muito me orgulho de escrever meus artigos e ter uma ligação afetiva desde 1973 como leitor, acaba de conquistar a 19º posição entre os jornais do Brasil e 1º lugar do estado de São Paulo, em tiragem impressa e digital. Aos domingos, Dom Julio Endi Akamine escreve os seus artigos neste espaço. De Dom Aguirre a Dom Julio, são 96 anos em centenas de reportagens da atual arquidiocese de Sorocaba, como este artigo de hoje que inseri como título os seus nomes. Que as bênçãos divinas continuem derramando cada vez mais a todos que contribuem com o seu trabalho ao sucesso do centenário Cruzeiro do Sul.
Fui crismado por Dom Aguirre e convivi com Dom Melhado, Dom Lambert, Dom Eduardo e o atual Dom Júlio Akamine. Decidi fazer uma trajetória desses cinco ungidos sacerdotes neste rumo da Arquidiocese aos seus 100 anos de existência a ser celebrada em 2024. Na minha memória existe uma imagem inesquecível do casarão da Cúria Diocesana na rua XV de Novembro.  Apesar da pouca idade, o fato em si registrou um acontecimento com a unção do Dom José Carlos de Aguirre no sacramento da Crisma. Meus padrinhos já se foram deste mundo. Amábile e Antonio Trevisan nunca deixarão de existir na minha existência. Dom Aguirre, como todos o chamavam, deixou em Sorocaba uma história de vida que pode ser comparada a uma árvore frutífera e eterna. O bispo Dom Aguirre chegou de trem da Estrada de Ferro Sorocabana oriundo de Bragança Paulista. Ele foi nomeado pelo papa Pio XI, que criou a Diocese de Sorocaba. Dom Aguirre foi o primeiro Bispo. Imagino a festa na cidade quando ele desceu na estação da sorocabana no dia 31 de dezembro de 1924 e se locomoveu até a Igreja Matriz de NS da Ponte. 
Tenho o livro escrito pelo historiador ‘Aluísio de Almeida’, pseudônimo do Monsenhor Luiz Castanho de Almeida, um dos mais brilhantes escritores da cidade. Conversei com ele várias vezes em sua casa. A obra “A Diocese de Sorocaba e seu Primeiro Bispo”, tem data na minha edição de 1974. Ela foi escrita em maio de 1970. Monsenhor Castanho contou que ele foi o terceiro sacerdote ordenado por Dom Aguirre. Também o escritor e um dos mais destacados mestres da trajetória da Fundação Dom Aguirre, professor Aldo Vannucci escreveu o livro “Dom Aguirre Vida e Obra”. Os dois volumes citados enriquecem as bibliotecas do Brasil para estudos e pesquisas dos alunos. Considero-me um deles, desde que estudei e me formei na faculdade que tem como patrono Dom Aguirre.
Com Dom José Melhado Campos, o segundo Bispo de Sorocaba, tive a feliz oportunidade de participar na sua gestão à frente da Diocese, como membro do Movimento de Cursilhos de Cristandade. Entre outras atividades, eu enxergava em Dom Melhado um “paizão” para todos que o procuravam em ouvir seus conselhos. Amigo e companheiro de pescaria de dezenas de sorocabanos, gostava de jogar bocha nas horas de lazer. Ele ficou a frente da Diocese de 1973 a 1980. O menino José Melhado Campos nasceu em Limeira. SP em 29 de novembro de 1909, quinze anos antes da criação da Diocese de Sorocaba. Ordenado sacerdote em 15 de agosto de 1934, em São Manuel, foi nomeado vigário coadjutor na cidade de Avaré. Foi professor do Seminário São Carlos Borromeu. Em 21 de fevereiro de 1965 foi nomeado pelo Papa Paulo VI titular da Óspita e coadjutor com direito a sucessão de Dom José Carlos de Aguirre na Diocese de Sorocaba.  Em 16 de dezembro de 1965 a Santa Sé, com a idade avançada de Dom Aguirre, nomeia Dom José Melhado Campos, agora como bispo coadjutor e administrador apostólico “sede plena” da Diocese de Sorocaba. Com a morte de Dom Aguirre em janeiro de 1973, Dom Melhado assumiu como Bispo Diocesano.

Dom José Lambert também faz parte das minhas lembranças em muitos episódios. Recordo-me do dia em que conversamos em 1996 para trazer a retransmissora da Rede Vida de Televisão para Sorocaba. O primeiro arcebispo metropolitano Dom Lambert assumiu um intenso trabalho frente à presidência da Fundação Dom Aguirre, mantenedora da instituição.
Dom José Lambert nasceu em 13 de março de 1929 na cidade de Igarapava. Chegou a Sorocaba em 20 de janeiro de 1980 como bispo coadjutor e administrador apostólico-sede plena.  Foi nomeado Bispo diocesano em 20 de maio de 1981. Por nomeação do Papa João Paulo II foi nomeado Arcebispo Metropolitano em 29 de abril de 1993 recebendo o Pálio das mãos do Papa em junho do mesmo ano.
 Durante 12 anos Dom José Lambert foi o responsável pela Diocese e posteriormente 13 anos como Arcebispo da Arquidiocese de Sorocaba..  Dom José Lambert, bispo emérito, faleceu em 27 de fevereiro de 2007.
Dom Eduardo assumiu em 03 de julho de 1995, como o 4º Bispo e 2º Arcebispo de Sorocaba. Nasceu em 25 de junho de 1941, em Bias Fortes, estado de Minas Gerais.. Em 2016, Dom Eduardo, por idade, renunciou e transferiu o arcebispado a Dom Julio Endi Akamine.
O 5º Bispo e 3º Arcebispo de Sorocaba é Dom Júlio Endi Akamine, tendo sido nomeado arcebispo metropolitano em 28 de dezembro de 2016. Em fevereiro de 2017 na Catedral Metropolitana de Sorocaba, em missa solene transmitida ao vivo para o Brasil pela Rede Vida de Televisão tive a feliz oportunidade de participar como repórter desse canal de televisão católico. Nestes dois anos e nove meses à frente da arquidiocese, Dom Julio conquistou em visitas pastorais, celebrações e uma total dedicação aos fiéis das 59 cidades integrantes da sua jurisdição, o carinho e as orações à sua missão de pastor do rebanho confiado por Jesus e orientado pelo papa Francisco que o ungiu com o Pálio no Vaticano. Rumo aos 100 anos da comemoração da instalação da Diocese de Sorocaba- 1924- 2024, Dom Julio e uma comissão de sacerdotes e colaboradores, ao qual faço parte, se movimentam para organizar esta data histórica que começou com Dom Aguirre.  Com certeza será registrada nos anais da história da cidade de Sorocaba com as bênçãos de Deus que a abençoou na sua fundação por Baltazar Fernandes e no envio de seus bispos, sacerdotes, diáconos e leigos nestes 365 anos de existência.
Legenda da foto
 Foto montagem cedida pela VT de Dom Aguirre e Dom Julio, de autoria de Zé Rodrigues

Vanderlei Testa jornalista e publicitário e escreve quinzenalmente no Jornal Cruzeiro do Sul e aos sábados no www.facebook.com/artigosdovanderleitesta





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O sargento Cido partiu como um guerreiro da paz

Na véspera do Dia dos Pais, a despedida do amigo João Aguiar

O amigo e professor Theodoro na paz eterna