Um dia de vida



Hoje é dia 28 de janeiro. Tenho um dia de vida. Ontem às 10 horas da manhã, concidentemente numa segunda-feira, das mãos da parteira dona Maria, eu nasci de parto natural e vim ao mundo. Esse dia 27 de janeiro foi há décadas, mas permanecem vivas as histórias da infância contadas por minha mãe. A casa na Rua Santa Maria 111 estará na minha vida eternamente. Vivi lá 26 anos de solteiro e meus pais por mais de 60 anos. Carmela e Ernesto descendentes de italianos geraram no amor cinco filhos. O casamento permaneceu por 60 anos até a despedida deles para o céu. Papai viveu 86 anos e mamãe 93 anos. Meus irmãos gêmeos, Júlio e Ernesto não suportaram à falta de recursos médicos daquela época e faleceram logo após o nascimento. Com o passar do tempo vieram o Darci, eu e o Ernesto Junior.  A casa no bairro Além Ponte  me lembra duma plantação de roseiras e das folhagens no quintal. Havia um perfume abençoado em cada cômodo. Era exalado pelas flores e plantas cultivadas com carinho pelas mãos calejadas do meu pai e das mãos delicadas de minha mãe (foto). Papai era ferroviário, com mais de 35 anos de serviços prestados nas Oficinas da Estrada de Ferro Sorocabana. Mamãe era tecelã na Fábrica de Tecidos Votorantim.
Na minha infância sentia a saudade de ver a mãe protetora partir cedinho com sua marmita para pegar o bondinho que a levaria trabalhar. Como meus pais tinham abrigado minha avó, uma tia viúva e seus dois filhos ainda crianças, eles acabavam ficando na minha companhia junto com o Pirata, o cãozinho na foto acima, em meus três meses de vida. Posteriormente a tia Helena conseguiu emprego na Fábrica Santa Maria. O cantar de pássaros no corredor da casa que ia da porta de entrada até o quintal era a alegria de meu pai. Ele cuidava dos canários, sabiá, curió avinhados e outros da sua turma de amigos, como chamava cada um. Amigos que cantam e encantam. A simplicidade dos três quartos, sala e cozinha e uma varanda com quintal e seus dois quartinhos no fundo é uma poesia adocicada aos meus olhos. Cada espaço têm momentos inesquecíveis. O quarto da frente, onde meus pais dormiam, era aos domingos de madrugada uma sinfonia de sons da feira livre. Em frente ficava uma banca de verduras do seu Silvio e da dona Dolores Galvão. Espanhóis, eles iniciavam à montagem da banca com muita conversa sobre onde colocar as couves-flores, cebolas, alhos, alfaces, repolhos e frutas. Quando tinha meus nove anos de idade, havia uma banca de bolachas ao lado das verduras. O dono era o Paco. Ele acabou por me convidar para ficar ajudando a ensacar os biscoitos que vendia por quilo. Sempre dava um jeitinho de comer uma bolacha meio escondido, até o dia em que ele me liberou certa quantidade por domingo para degustação. Foi uma festa esse dia!
Nas lembranças, penso que o dia que vim ao mundo, com a chuva de bênçãos que desceram das nuvens, caiu também do colo de minha avó Victória Calegari Testa um amor só comparável ao colo de Maria, mãe de Jesus. Ela com seus mais de 80 anos e cabelos brancos alvejados como neve, era a pureza da nona italiana. Veio da Itália ao Brasil com 18 anos de idade, já casada com meu avô Giuseppe, e uma filha de nove meses. Na bagagem, um relógio de parede, de 1888, que mantenho em minha casa. Foi nessa fase da minha vida que conheci a polenta, verdadeira iguaria que a nona fazia em panela de ferro para almoçarmos, enquanto meus pais trabalhavam. Aquela casquinha do fundo mastigava como uma crocante bolacha de milho. Tinha tanta gente vivendo em casa, acolhidos pelos meus pais, que fiquei anos no quarto deles até passar ao segundo dormitório com meu irmão Darci, nove anos mais velho. Ele com 18 anos e eu com nove anos. É que nasceu o terceiro filho, Ernesto Junior, quando minha mãe tinha 40 anos e cedi o lugar para ele no berço-cama.
Nesta retrospectiva de vida em minha família, destaco as habilidades culinárias da mamãe. Fim de semana tinha o pão que ela fazia. A fumacinha saindo do forno e a cor da massa assada gerava um convite a saboreá-lo quentinho. Difícil de descrever essa iguaria que foi incialmente amassada com aquelas frágeis mãos até ficar no ponto em crescimento com o fermento. E a sua macarronada, bolinho de chuva, bolo, doces de abóbora e figo, mamão verde, ufa! Dia 5 de janeiro de 2020 a mamãe Carmela faria 105 anos de idade. Nesse dia na missa da Epifania do Senhor, orei e a saudade bateu forte no coração. Veio à mente todas essas lembranças durante o dia. Decidi escrever este artigo em sua homenagem e ao papai, irmãos, avós e familiares que moraram conosco: Vó Vitória, tia Helena, primos Tereza e Antônio Modolo, Gumercindo Basso, Darci e Mafalda Zambom. Quantas vezes tivemos que dormir em colchões improvisados no chão pelo número de primos que vinham passar férias em casa.
Um lar que na simplicidade das instalações, naquela época dos anos 50, sem geladeira, fogão a gás, televisão, liquidificador, batedeira e outras utilidades domésticas. Meus pais acolhiam e davam conta de alimentar com amor cada pessoa com as mãos e carinho. A eles, muito obrigado pela vida. Obrigado pais por vocês terem existido e ressuscitado na fé cristã católica.
E pra finalizar, o meu nome era para ser José Testa. Nome do meu avô. No caminho do cartório pra registrar, o meu pai encontrou um amigo de nome Vanderlei. Gostou! E daí que ao chegar ao cartório decidiu me chamar de Vanderlei José Testa. E assim foi feito!
Benção pai, benção mãe, benção nona, como eu falava todos os dias!
Vanderlei Testa jornalista e publicitário escreve quinzenalmente às terças-feiras no Jornal Cruzeiro do Sul e aos sábados no www.facebook.com/artigosdovanderleitesta e no www.blogvanderleitesta.com
Foto arquivo de família: Mamãe Carmela e suas flores

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O sargento Cido partiu como um guerreiro da paz

Na véspera do Dia dos Pais, a despedida do amigo João Aguiar

Vá em paz, Bottesi !