Uma história de paixão pela Itália e educação: Aurete e Jorge


Aurete e Jorge Brum

Foto: Grupo de amigos na Europa com Aurete e Jorge (final da mesa à esquerda)

A menina gaúcha sonhava em ser professora. Era uma criança ativa. Lia qualquer coisa quando começou aprender as primeiras sílabas. Mamãe e papai olhavam com orgulho pra menina Auretinha. Ela dava sinais de sabedoria precoce aos sete anos. Olhar atento em tudo a sua frente, nada passava desapercebido na convivência familiar e junto das amiguinhas. Queria aprender. Na primeira escolinha do bairro no interior do Rio Grande do Sul, onde morava a professora, foi uma princesa descoberta pra Auretinha. Ela ensinava o bê a bá e a filha de italianos , a menina Auretinha, foi tocada na vida como uma lição inesquecível de conhecimento. Sua cabecinha sonhava longe. Um dia vou ser como ela, minha “ fessora”. O pro inicial não saiu e a professora ouviu aquela voz delicada sonhar.
Nas idas à escolinha a menina de cabelos longos, castanhos, seguia como se fosse a um castelo. Tanta era a sua vontade de aprender. Sem os instrumentos atuais de tecnologia, como celular, tablet ou computador, ninguém da classe perdia tempo com essas atrações infantis. O livro e caderno com lápis colorido, borracha e apontador faziam a festa da garotada e, em especial da apaixonada pela região do Veneto onde ouvia falar através dos nonos italianos.
Assim a Aurete foi ganhando estatura e conhecimento. Estudou muito e galgando os passos do ensino chegou a faculdade. Ela dizia sempre que desejava mais. Novas amigas, amigos e troca de olhares. Um dia apareceu o Jorge na sua vida. Moço inteligente e trabalhador. Pensava em ser bancário do Banco do Brasil. Juntava aí os sentimentos do amor humano com a emoção do encontro. Veio o namoro e noivado. Com o empurrão dos amigos e a vontade do Jorge em criar laços definitivos, os gaúchos que já adoravam viajar, embarcaram nessa conjugalidade. O destino os levou a morar em Brasília, pra onde mudaram após a nomeação do Jorge. Grandes transformações de vida. Tudo diferente do Sul. A capital atraiu e mobilizou anos de vida de trabalho. Um dia, porém Aurete e Jorge Brum deram um salto de aposentadoria e retornaram a tradicional cidadezinha gaúcha. Hoje moram em um apartamento ajeitado para os dois viverem em paz, assistindo dezenas de DVDs de cidades da Europa e do mundo por ponde passaram. A Eurte com sua câmera fotográfica registrando todos os detalhes auxilia nas projeções em que as fotos acabam como as estrelas de cinema. E pra ajudar nessa fantasia de lembranças ainda tem as imagens artísticas dos imãs de geladeira que ocupam as portas e laterais da histórica branquinha produzida no Sul.
Como um dia pela providência divina estivemos juntos na Europa acabei de conhecer e saber um pouquinho dessa história que relato. Um casal alegre, feliz, repleto de generosidade e bom humor. E lá distante de Sorocaba.sp este artigo especial pra quem diz que é emocionante e motivador ler estes relatos, testemunho o que pensei agora em cinco minutos de inspiração. E tá no blog pra quem quiser ler essa história de paixão pela educação, Itália, vida e família.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O sargento Cido partiu como um guerreiro da paz

O amigo e professor Theodoro na paz eterna

Um hino de amor ao Vagner e a Conceição