João e Alberto, gêmeos no céu


Os irmãos gêmeos  Alberto Batista Ferreira e João Batista



No final da década de 80 fui convidado pelo amigo Ronaldo Antunes Ferreira a ingressar no Rotary Clube Sorocaba Leste. Como é uma entidade de serviços à comunidade e com slogan “dar de si antes de pensar em si”, aceitei. Passei lá seis anos, somente saindo por motivos particulares que impediam a minha frequência semanal exigida pelo clube. Porém, nesse espaço de tempo a amizade rotária e o companheirismo permanecem até os dias atuais com muitos amigos. Há também alguns que se foram deste mundo para a eternidade. João Batista Ferreira, apesar do sobrenome Ferreira do Ronaldo que me convidou, não eram parentes. O João Batista sempre se sentava na mesma mesa onde fazíamos as refeições. Era uma pessoa alegre e tinha uma personalidade e idoneidade que manifestava a sua educação familiar. O chamado berço de pais, educadores que valorizam em primeiro lugar o respeito ao próximo. Era nítido esse comportamento nas conversas que mantínhamos naquelas horas de convivência fraterna. Nessa época, fiquei sabendo que o João Batista, chamado de “Nenê” tinha um irmão gêmeo, de nome Alberto Batista Ferreira, chamado de “Lolô”. O João comentava que eram irmãos muito parecidos fisicamente e no jeito de pensar e agir. E desde crianças mantinham uma amizade alicerçada no respeito e amor. Eles nasceram na Vila Santana e como gêmeos atraiam a atenção da garotada da vizinhança que não conheciam ninguém gêmeos.

Algum tempo depois precisei alugar uma casa em Santa Rosália para o meu escritório de comunicação. Encontrei o local e fui atrás da imobiliária. Depois de tudo acertado vim saber que era a casa do João Batista Ferreira.  Aquela confiança anteriormente presenciada de sua conduta se fez presente na satisfação de ser seu inquilino, até quando o seu filho se casou e precisei ceder o espaço aos novos moradores.  Nossas vidas continuaram por rumos profissionais diferentes após a minha despedida do Rotary, mas a amizade sempre existiu até a sua inesperada partida ao céu.
Conhecia o seu irmão gêmeo Alberto Batista Ferreira, de nome na mídia, que divulgava o seu trabalho como diretor do Serviço Autônomo de Água e Esgoto- SAAE de 1977 até 1983, pois como jornalista, acompanhava o noticiário de Sorocaba. Nessa época nunca tivemos contato pessoal, pois gostaria de ter a oportunidade de lhe falar do gêmeo João Batista. Quis a providência divina que anos depois na década de 90, na cidade de Mongaguá, o Alberto e sua esposa Aurita me fossem apresentados pelos amigos Rose e Marcos Neves. No calçadão da avenida beira mar, estávamos sentados apreciando o mar na Barraca da Toninha. Era um final de ano e na espera das comemorações do reveillon. Nascia uma amizade que já se passam mais de 20 anos com o casal Alberto e Aurita. Digo até hoje, porque mesmo com a partida do amigo Alberto Batista ao céu no dia 12 de fevereiro, com 80 anos de idade, a sua presença será sempre lembrada com saudade. A trajetória do Alberto nestes anos todos, bem como do seu irmão gêmeo João, deixou em minha memória e, em Sorocaba , sementes que frutificaram com seus filhos que seguem a mesma filosofia de vida cristã de amor ao próximo e generosidade. Convivo com essa descendência em momentos de fé e social na comunidade e, posso testemunhar, que os familiares Batista Ferreira são exemplos a serem seguidos. Cito aqui para encerrar o depoimento da filha Áurea “o amor é, sempre foi tão grande que não cabia imaginar sua ausência tão repentina”. “Te amo pai, além de toda e qualquer vida. Benção, Pai”

E na despedida no PAX, o Alberto, “Lolô” e o João, “Nenê” ficaram, lado a lado na sepultura, onde o padre Wagner Lopes Ruivo os abençoou com o sacramental da água benta e orou para estarem novamente juntos na casa que o Senhor preparou para eles junto com os seus pais Iracema e Durvalino.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O sargento Cido partiu como um guerreiro da paz

Na véspera do Dia dos Pais, a despedida do amigo João Aguiar

O amigo e professor Theodoro na paz eterna