Célia e José Benedito




Dia 19 de março é dedicado a São José.  Hoje o artigo é dedicado a um José que não é marceneiro, mas jornalista dedicado a comunicar a vida da família do José, Maria e seu filho Jesus. Há pessoas que nascem com um dom de ensinar, escrever, colecionar, viver em comunidade. O casal José Benedito de Almeida Gomes e Célia Gimenes nasceu assim com esses dons e um dia ao se encontrarem, uniram o amor conjugal. A filha Ana Júlia é o presente de Deus que iluminou com o clarão da felicidade a vida da família. Sou amigo do José Benedito há décadas. Acompanho os seus passos no jornalismo desde quando iniciei minha jornada em 1979 na mesma filosofia de contar histórias e reportagens. A característica profissional e humana do José Benedito é a verdade. Sempre foi fiel aos fatos. Sua trajetória de mais de 40 anos no Jornal Diário de Sorocaba é fantástica. Reconheço o quanto de dedicação e comprometimento ele teve nesse tempo, mesmo com as dificuldades que passou nas mudanças de gestão.
 Essa fidelidade é reconhecida por mim e por todos que sabem do seu valor profissional e cristão. José Benedito sempre se dedicou a ser também um historiador da arquidiocese de Sorocaba. Acredito que é um dos mais qualificados a escrever e contar os detalhes dos 100 anos da arquidiocese. Seus textos são compilados e reescritos, suas histórias são ouvidas, o farto material de arquivo que mantém em casa é pesquisado e, como ninguém na cidade, manifesta uma de suas características, de ser humilde em tudo o que realiza. Deixa os louros de lado. Recentemente, a diretoria da Associação Sorocabana de Imprensa, entidade que durou 80 anos na cidade, homenageou o José Benedito em sessão solene na Câmara Municipal. Como filatelista, um dos pioneiros do “Clube Philatélico Sorocabano” é conhecedor dos selos que contam momentos de Sorocaba, como foi o caso dos 350 anos do Mosteiro de São Bento. 


Assessorou bispos da arquidiocese e se fez presente com verdadeiros “furos” à imprensa, sem trazer para si o mérito de noticiar em primeiro lugar. Um dos casos em que ele me contou, foi quando Dom José Lambert, sem querer, acabou  antecipando o furo de reportagem numa missa em que ele estava ajudando no Jardim São Marcos. Dom Lambert falou que o padre José Carlos Castanho de Almeida seria nomeado Bispo. José Benedito já trabalhou na Pastoral da Comunicação da Catedral Metropolitana. É membro ativo com sua família do Movimento dos Focolares, onde eles se dedicam em levar adiante as mensagens da sua fundadora Chiara Lubich. Célia, sua esposa  desde 11 de agosto de 1990, é Assistente Social e a filha Ana Júlia formada em Psicologia.  A história da família de Célia e José Benedito é um verdadeiro testemunho de fraternidade.

 Num mundo onde muitas pessoas procuram destruir valores morais, este casal, pelo contrário, caminha nos princípios da santidade conjugal, como disse o fundador das Equipes de Nossa Senhora padre Henry Caffarel, em dezembro de 1948: “No meu lar, na minha paróquia, na minha profissão, no meu país, na Igreja, sou um parasita ou um bom operário? “. Você é um ótimo operário da messe da vinha José Benedito.

Leia  no Google Play Books o Livro 127 Artigos de Vanderlei Testa

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O sargento Cido partiu como um guerreiro da paz

Na véspera do Dia dos Pais, a despedida do amigo João Aguiar

O amigo e professor Theodoro na paz eterna