Paschoal Police da Santa Maria





Paschoal Police da Santa Maria


As historias de amor conjugal começam com um olhar intenso tocando os corações de jovens enamorados. Esse roteiro de filmes e novelas acontece no dia a dia da vida real. Mudam os personagens, mas o que acontece entre as pessoas, só a alma de cada um poderia explicar. Assim, que começou um dia nos anos 40 o romance de Paschoal com uma mocinha Ângela com seus 17 anos de idade. Ela trabalhava na indústria têxtil Votorantim. Os pais do Paschoal, Ema e Francisco tinham um restaurante, bar e bocha existente em frente da Fábrica Santa Maria, em Sorocaba. Naquela época, havia centenas de jovens que trabalhavam na tecelagem da empresa, produzindo em seus teares os tecidos que faziam do Brasil um dos maiores produtores têxteis mundiais. O jovem Paschoal Police chegou de outra empresa do grupo empresarial Gasparian da cidade de Tatuí para administrar a Fábrica Santa Maria. A maioria das operárias eram moças e senhoras tecelãs. Pela proximidade da portaria da fábrica e da residência do Paschoal Police com o restaurante onde ele ia almoçar, via constantemente aquela moça Angela com sua beleza a tocar seu coração. Ela chegava com o bondinho e descia no ponto no final da rua Santa Maria. Paschoal chegou a dizer aos pais da Angela que queria namorar e casar com ela. Mas era menor de idade e não permitiram que casasse antes dos 18 anos.  Um dia o destino cruzou Angela e Paschoal na antiga rua do Tanque, hoje rua Ataliba Borges. Ela morava em frente aquele tanquinho de água. Imagino romanticamente que o início do namoro acontecia com um jeito simples e abençoado pela água que corria entre as mãos de ambos naquela tarde de final de semana. Nunca mais deixaram de se ver até que o compromisso maior do noivado e casamento os levasse até o altar da Igreja do Bom Jesus. Era o ano de 1942. O vestido branco de cauda longa adornava a noiva Angela com seu véu na cabeça e a transformava na princesa que iria dar no seu sim do juramento do amor eterno, a felicidade plena ao noivo Paschoal.
A casa do gerente da Fábrica Santa Maria com suas varandas rodeando os cômodos agora seria habitada por uma família. Angela e Paschoal eram vistos como príncipe e princesa no palácio real. Os jardins floridos no entorno com pássaros cantando no amanhecer, garantiam o toque suave musical da natureza nesse novo lar. Passado um ano chegou o primeiro filho Paschoal Police Junior, nome dado em homenagem ao pai. O bebê irradiava a alegria no seu sorriso e choro de desejo de ser amamentado. A presença dos pais e filho manifestava no amor o que viria nos anos seguintes. Foram seis filhos, o Junior, Valter, Maria Angela, Ema Verônica, Pérola Regina e Luz Marina. Aquele casarão que conheci por dentro como vizinho e amigo da família era como se houvesse festa todos os dias. A animação de pais e filhos, com as delícias da culinária das receitas dos avós alimentava a familiares, amigos e visitantes. Entre eles, o Antonio Tabajara Dias com seu violão dedilhando canções, ainda posta fotos daqueles tempos em suas redes sociais. Um dos eventos marcantes na fábrica era a festa junina anual. Organizada pelos operários, reunia as famílias em barracas tradicionais, danças, quadrilhas, fogueira e amizade.
A mamãe Angela que passou a ser chamada carinhosamente de Angelina por Paschoal, casou com 18 anos. Os seus 31 anos de vida conjugal são marcados no coração pelos seus filhos como inesquecíveis e relatados com lembranças de contos de fadas. A figura materna da Angelina, mãe generosa, carinhosa, atenta nos limites das preocupações de detalhes na educação de cada filho, faz parte da vida atual dos seus descendentes. A Luz Marina, hoje com 60 anos de idade e mãe de um filho e dois netos, conversou recentemente comigo e citou com emoção como os seus pais foram amáveis, íntegros e exemplos de vida aos filhos. Valter Police, um dos filhos lembra-se do seu pai como modelo de pioneirismo em conduzir uma grande fábrica de tecidos valorizando os empregados como pessoas. Essa filosofia de vida, Valter e a esposa Maria Aurora passam aos seus filhos Gabriela e Daniel Police, como conduta humana cristã de respeito humano. O neto Daniel Police com 40 anos de idade casado com Daniele e um filho, participa desde jovem de projetos sociais em Sorocaba, trazendo como legado o aprendizado dos avós na prática de suas atividades. 
Paschoal Junior, com três filhos e sete netos, agradece os ensinamentos dos pais e a convivência sadia com os cinco irmãos, cuja herança maior de todos é a amizade fraterna. Maria Angela com quatro filhos, dois netos e dois bisnetos, sente-se como na sua infância todos os dias, amada e protegida pelo amor dos pais. Ema Verônica, com três filhos e quatro netos, traz para a sua vida conjugal com Mariano Amadio a mesma energia de paz que viveu no casarão da rua Santa Maria. Pérola Regina têm dois filhos e sempre busca passar a eles o mesmo carinho e afeto de sua vida como filha de Angelina e Paschoal.
Paschoal Police viveu 73 anos e Angelina 49 anos. Os filhos testemunham que eles jamais deixaram de se amar e de se preocupar em proporcionar empregos às famílias. Deixaram quinze netos, dezoito bisnetos e dois tataranetos. Juntos no céu continuam se amando em plenitude de paz na morada que o Senhor preparou para eles. E como no primeiro encontro do tanquinho, bebendo agora da água na cachoeira da vida eterna como afirmou Jesus:
aquele, porém, que beber da água que Eu lhe der nunca mais terá sede. Ao contrário, a água que Eu lhe der tornar-se-á nele uma fonte de água jorrando para a vida eterna”.


Vanderlei Testa jornalista e publicitário escreve às terças-feiras no Jornal Cruzeiro do Sul e aos sábados no www.facebook.com/artigosdovanderleitesta e www.blogvanderleitesta.com




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O sargento Cido partiu como um guerreiro da paz

Na véspera do Dia dos Pais, a despedida do amigo João Aguiar

O amigo e professor Theodoro na paz eterna