A última mensagem do Sergio Cury Maluf







Antes da pandemia, as minhas manhãs de cada dia começavam às 7h no Mosteiro de São Bento, em Sorocaba.  Dom Rocco ou dom Inácio celebravam a missa com uma espiritualidade marcante em palavras de fé e motivação para enfrentarmos os desafios de cada dia da vida. Havia um pequeno grupo de amigos que compartilhava essa frequência de segunda a sexta-feira.  Entre eles, o Paulo Canineu, José Carlos Felamingo, Fábio Lemes dos Santos, Antonio de Genaro e o Sergio Cury Maluf. Todos os dias, O Sergio, eu e o Felamingo ficávamos em gostosa conversa após a missa na praça do largo de São Bento.

Com o COVID-19 paramos de frequentar o Mosteiro, pois as missas foram suspensas com a presença das pessoas e mesmo retornando há o isolamento social aos “quarentões”.  Com alguns dos amigos continuamos em conversa diária pelo WhatsApp , como foi o caso do Sergio Maluf. Nossas mensagens eram de amigos que se conhecem há pelo menos 45 anos, numa sintonia de irmandade. Durante a pandemia, as palavras de nossa conversa seguiam com a confiança nos rumos do nosso isolamento social e precauções com a saúde. No começo deste mês de agosto, o Sergio me passou uma mensagem que tinha feito uns exames com o cardiologista e que fez teste do coronavírus.  Foi diagnosticado positivo e internado no hospital. Com os cuidados médico o Sergio se se manteve em tratamento até o dia nove de agosto. Recebeu alta e para pegá-lo no hospital, seu filho Gabriel e a mãe Valéria, foi buscá-lo. Era por volta das 13 horas do domingo, Dia dos Pais. Sergio, pai do Gabriel Lacava Maluf e Isabella Lacava Maluf.

A demora do Sergio em aparecer na recepção do hospital preocupava. Minutos depois vinha à notícia da parada cardíaca. O COVID venceu e o Sergio perdeu a vida. É triste para mais de mil famílias por dia ver seus entes queridos partirem desse jeito. Os noticiários mostram mais de cento e cinco mil pessoas falecidas desde o início da pandemia no Brasil. Praticamente uma cidade como Votorantim desaparecendo com os seus moradores.  É triste receber neste tempo de pandemia o aviso dos amigos e familiares contando da perda de alguém que conhecemos. O Sergio foi mais um dos amigos que nos deixou inesperadamente. Seus saudosos pais, amigos de longa data, dona Nelly Cury Maluf e seu Fayad Maluf eram magníficos como seres generosos. Corações de pais amorosos criando seus filhos, Silvia Maluf Pontes, Sergio Cury Maluf e Sônia Cury Maluf Cozer. Nossa amizade com os três irmãos nestas décadas foram solidificados pela fé.  Aprendemos com eles a valorizar a vida e respeitar os desígnios do Criador. Só nos resta agora agradecer pelo tempo em que convivemos e ter a certeza da nova morada eterna em que o Sergio está com os seus pais. 

Deixo aqui as ultimas palavras do Sergio que me enviou em meu WhatsApp , no dia de ser internado:  “Deus é maior”.



Vá em paz, amigo Sergio! Deus é maior.


Vanderlei Testa jornalista e publicitário escreve aos sábados no www.jornalipanema.com.br e www.blogvanderleitesta.com e www.facebook.com/artigosvanderleitesta

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O sargento Cido partiu como um guerreiro da paz

Na véspera do Dia dos Pais, a despedida do amigo João Aguiar

Vá em paz, Bottesi !