Madalenas, uma história de crocheteiras em família

Madalenas, uma história de crocheteiras em família
A Madalena, avó paterna da Carla e da Roberta era uma crocheteira com mãos abençoadas. Seus dedos manipulavam as agulhas com os fios tecendo ponto a ponto cada peça de crochê com a nobreza das cores da natureza.  Havia naqueles trabalhos artesanais da dona Madalena uma magia de beleza que tocava os olhos de quem contemplava.  Não eram peças produzidas em série ou por máquinas, mas, obras de arte assinadas com o coração que pulsava a cada inspiração da vó Madalena. E foi com essa tradição de família em gerações de bordadeiras, que a dona Sidneys e as filhas, Carla e Roberta, assumiram manter com a mesma fidelidade à produção artesanal das suas tapeçarias.
Profissionais liberais e mães sensíveis em seus lares às três mulheres sempre se reuniam para conversar sobre os maravilhosos trabalhos de crochê da avó, a nona Madalena. Passavam horas relembrando os detalhes que faziam a diferença nessa tradição familiar. Entre uma xícara de café e outra de chá, dona Sidneys e as filhas Carla e Roberta decidiram criar um ateliê de bordados homenageado com o nome de Madalenas. Eram elas, as novas “Madalenas”. 
 A escolha de produtos de melhor qualidade no mercado de tapeçaria do Brasil e um plano de trabalho com regras de excelência em cada peça a ser produzida moveu esse sonho. A realidade aconteceu neste tempo de pandemia.
O que está sendo feito em seis mãos tocadas pelo dom dessa arte de tapeçaria é a produção e vendas em diversas aplicações, com uso em decoração, móveis e moda, com artes em jutas e talagarça. Mãe e filhas alegrando ambientes e impressionando as pessoas que usam essas peças em suas residências e locais de trabalho. A marca Madalenas é mais que um nome, é uma história de vida dos tempos da vovó.

No Facebook, encontrei o endereço: madalenasatelietapecaria com as obras de arte das netas e vovó. 





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O sargento Cido partiu como um guerreiro da paz

Na véspera do Dia dos Pais, a despedida do amigo João Aguiar

Vá em paz, Bottesi !