A manivela do semáforo

 


A manivela do semáforo

Agitação na cidade com muitos carros para aproveitar, mesmo na pandemia as ofertas da promoção americana, importada para os brasileiros, sem grandes descontos reais. Vale a ilusão!

Nos anos 60 diariamente andei durante quatro anos na Rua Dr. Álvaro Soares e no centro de Sorocaba. Era o meu caminho para o Curso Ferroviário que funcionava na área da Estrada de Ferro Sorocabana. Essa rua tem em sua história um comércio e fatos interessantes na lembrança dos sorocabanos. Um dia pesquisando sobre quem foi o homenageado com o nome da rua descobri fatos também marcantes de sua vida.

 Assim, o nome Álvaro César da Cunha Soares parece ser inspirador ao desenvolvimento de uma das vias públicas mais conhecidas de Sorocaba. O médico Álvaro Soares foi prefeito nos anos 1911 a 1913 e como profissional da saúde um dos mais destacados no combate a “gripe espanhola” ocorrida na cidade. Essa gripe vitimou centenas de operários da Fábrica Santa Rosália. Se estivesse vivo estaria combatendo o COVID-19.

 A homenagem da Câmara Municipal ao Dr. Álvaro Soares com o nome da rua central, nos traz à lembrança muitos comércios, repartições públicas e ícones desse tempo dos anos 60. Uma dessas recordações é a figura do Guarda Civil. Com seus uniformes e quepes azuis cuidavam do policiamento e do trânsito. Lá na esquina da Álvaro Soares com a Rua Monsenhor João Soares tinha uma guarita amarela com uma cobertura tipo “chapéu”. Outros pontos da manivela estavam nas principais ruas do centro.

 Hoje temos o Museu Ferroviário instalado na casa que era do engenheiro Wilson Bandeira de Bello, da família do arquiteto Ricardo Bandeira.  Frequentei esse casarão quando trabalhava na EFS. A Rua Dr. Álvaro Soares e o centro de Sorocaba tem muitos capítulos ainda a serem escritos, enquanto a lembrança do semáforo com a sua manivela vai mudando as cores do vermelho, amarelo e verde para a passagem do tempo lindo de nossa vida que neste final de semana vai escolher o novo prefeito ou prefeita da cidade.

Vanderlei Testa jornalista e publicitário escreve aos sábados no www.jornalipanema.com.br e www.bogvanderleitesta.com e www.facebook.com/artigosdovanderleitesta

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O sargento Cido partiu como um guerreiro da paz

Na véspera do Dia dos Pais, a despedida do amigo João Aguiar

Vá em paz, Bottesi !