Darci Moraes

 


Darci Moraes

 

Há cerca de dez dias fui ao médico solicitar exames para teste de COVID. Estava na recepção do consultório quando um amigo de décadas apareceu também para consulta. Era o Darci Moraes. Só havia nós dois na sala de espera. Há tempos que não via o Darci. Perguntei como ele estava indo. E o trabalho que faz em sondagens em Sorocaba. Feliz, o Darci me relatou que a empresa tinha sido escolhida pela Construtora Planeta para executar fundações em suas obras. Que mesmo não conhecendo o seu presidente tinha grande admiração pelo crescimento da construtora. Falou que estava bem fisicamente e fazendo exames e testes para o COVID. Como a minha consulta era primeiro, logo em seguida fui chamado. Quando sai, falei até qualquer hora ao Darci e desejei boa sorte a ele. Era a despedida em vida.

Conhecia o Darci há uns 30 anos. Ele era exatamente o mesmo em comportamento humilde e generoso. Educado e com um jeitão acolhedor aos seus amigos e clientes, Darci vestia a camisa da empresa de Sondagens na pele e na alma, como o seu fundador.

Na quinta-feira, dia 8 de abril ao ver a sua foto com a inscrição luto confesso que fiquei surpreso e triste com a notícia. Senti como somos vulneráveis a cada momento de nossa vida. Os riscos da contaminação são como fantasmas que não enxergamos. Jamais imaginaria que naquele dia 30 de março às 14h, estaria dando o adeus definitivo ao amigo Darci.

A divulgação nesta semana de nomes conhecidos da convivência profissional e pessoal, como o Wilson Braz e o seu filho Lino, mais o “coreano” Soo Wha Há, dono de um destacado restaurante na cidade, somam-se a outros nomes que diariamente são relacionados nas páginas dos jornais. Nesta semana contei em um dia uma média de 40 nomes diários de mortes em Sorocaba.

Estou em casa mantendo isolamento e há 13 meses com o escritório fechado. Só Home Office para tentar proteger a vida. Sei que é difícil a dependência financeira para a sobrevivência de muitas famílias. Mas, sempre há gente ajudando o próximo. Juntos, poderemos superar este angustiante pico de casos de COVID no Brasil.

Aqui, torcendo e orando aos enfermos e suas famílias. Entre eles, o  meu irmão Ernesto em Sorocaba, Avari, primo em Piracicaba, Paulo Torres e àqueles que estão em nossas intercessões.

 Usem máscara. Tomem a vacina.

 

Vanderlei Testa jornalista e publicitário escreve aos sábados no Jornal Ipanema. E-mail artigovanderleitesta@gmail.com

 

 

 

 

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Renata e Seide, duas perdas irreparáveis

Médico Fernando de Barros Oliveira, 50 anos de missão

Gratidão de dom Julio ao padre Jesus Flores