A fera voraz chamada Covid levou o Jomar

A fera voraz chamada Covid levou o Jomar

 

Mais uma vez ficamos impactados com as notícias de pessoas amigas que são contaminadas pelo Covid-19. Mesmo com todos os cuidados necessários os riscos são “feras vorazes” em todas as idades da humanidade. Quem acompanha as redes sociais sente isso diariamente com imagens de pessoas e pedidos de orações. Infelizmente, nem todos se salvam nas UTIs. O amigo Luiz Henrique Gonzales vem a tempos em tratamento no hospital, superando as dificuldades do COVID com fé e determinação. Sua irmã Carol Gonzales organiza as orações do Terço em frente ao Hospital Evangélico e em centenas de casas a família e amigos mantém seu pensamento positivo para a sua cura.

Outro amigo, Jomar Bellini, jornalista que passou pelo Jornal Ipanema, TV Tem e Jornal Cruzeiro e, de uma juventude e vitalidade, com uma conduta profissional exemplar, também não escapou dessa “fera voraz”. Há vários dias internado, o amigo Jomar recebeu na fé a esperança de cura em orações de uma infinidade de colegas da imprensa e de seus familiares aflitos. No dia 1 de julho a notícia da morte do Jomar pela COVID chegou como uma bomba a explodir as nossas esperanças. Somente a fé na eternidade nos alenta a crer na sua libertação deste mundo. Sua avó Nice tinha partido recentemente. O pai do Jomar contou que o filho numa demonstração de sua personalidade humana foi providenciar o enterro da avó, para proteger os tios, primas e primos.  Agora estão juntos como na foto que ilustra este artigo.

Na quarta-feira, 30 de junho a noite recebi a notícia da internação da esposa do amigo Fábio Torrezan. A Eleusa Barbosa Sales Torrezan e o Fábio fazem parte da minha história na Comunidade do Divino Espírito Santo, do Jardim Saira. No amanhecer do dia 1º de julho, a notícia do falecimento da Eleusa e de seu sepultamento na madrugada, abalou a todos nós da comunidade de NS Medianeira e de São José Operário/Santuário de Santa Filomena. Incrível esse sentimento que toca os nossos corações com uma dor de perda humana. Nesta semana, o Adriano Dias, também da Comunidade do Divino partiu para a Casa do Pai. Em um dos seus momentos de felicidade maior com a amada família o Adriano deixa um vazio imenso.

Confesso que não gostaria de estar escrevendo tantas informações tristes neste espaço semanal do Site do Jornal Ipanema. Mas, a homenagem se faz presente para aqueles que lutam pela vida e por os que deixam saudades.

Como leitores da coluna, precisamos nos unir em preces ao fim desta pandemia. Acreditar que há muita gente precisando da nossa unidade de amor para vencer a tragédia do Covid. Sem mágoas ou ressentimentos, crer que precisa uma conversão dos dirigentes deste Brasil, terra de Santa Cruz para sentirem na pele a perda de um ente querido como esses que citei para valorizarem as vacinas, a máscara, a proteção à vida. Quem sabe assim, um dia entenderemos o porquê de tanto egoísmo e desejo de poder das autoridades causando tantas mortes injustas todos os dias pela proliferação do vírus.

 

Vanderlei Testa Jornalista e Publicitário escreve aos sábados no www.jornalipanema.com.br . E-mail de contato:artigovanderleitesta@gmail.com

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Renata e Seide, duas perdas irreparáveis

Médico Fernando de Barros Oliveira, 50 anos de missão

Gratidão de dom Julio ao padre Jesus Flores