Adélia Mendes, uma mulher de fé e guerreira

 

Namoro, noivado e casamento. Dois jovens se conhecem e formam uma família. A presença dos amigos testemunhando esse ato de amor em 4 de dezembro de 1992 de Adélia e João José Paulo Mendes foi especial. Tão expressivo que o casal engajado na paróquia de NS Medianeira de Todas as Graças se juntou aos casais amigos em um Encontro de Casais com Cristo.

 A espiritualidade que unia Adélia e José Paulo transbordou nas Equipes de Nossa Senhora. Nesse Movimento de Espiritualidade conjugal dedicaram à formação da equipe dedicada à Nossa Senhora Desatadora de Todos os Nós. A equipe é constituída por: Adélia Barbosa March Mendes, in-memorian, e João José Paulo Mendes, Ana Paula Pacheco Nogueira Machado e Antônio Eduardo Machado, Bárbara Francine Souza Bueno e Anderson Luiz Bueno, Juliana Bueno Cetano e Gladston Sanches Caetano e Sheila Silveira Matheus e Marcelo Garcia Matheus com a orientação de Conselheira Espiritual.

Os 29 anos de casamento de Adélia e José Paulo seriam completados neste final de ano de 2021. A pandemia do COVID 19 mudou o rumo da história do casal. Em um momento de união da família dos mais felizes em realizações, o inesperado mal desse vírus atingiu a Adélia. Apesar de todos os cuidados de higiene e proteção com as duas filhas adolescentes e marido, a contaminação inexplicável aconteceu. Nas missas presenciais deste ano na paróquia de NS Medianeira onde participei, via a Adélia com as filhas no primeiro banco enquanto o José Paulo, como leitor fazia as leituras da missa presidida pelo padre Washington. Eu admirava o casal testemunhando sua fé. Seja em anos de retiros e encontros dos Setores de Sorocaba, eles prestavam serviços de entreajuda a dezenas de casais. Queridos e admirados no bairro do jardim Iguatemi era difícil encontrar um morador que não os conhecesse. Adélia e José Paulo eram líderes naturais na comunidade.


A notícia da ida da Adélia ao hospital com COVID impactou os participantes dos movimentos religiosos, comunidade. Pedidos de orações, intercessões, busca de informações diárias e o acompanhamento de seu estado de saúde impactava cada família. Todos unidos pela vida da Adélia.

Dia 17 de agosto, no entanto, a triste informação da partida da Adélia aconteceu. Já perdi muitos amigos e parentes para o COVID. A morte é uma realidade que ninguém escapa. Sabemos disso. Mas, não estamos preparados para as partidas inesperadas. Perder amigos como consequência da pandemia chega a ser revoltante. Um lar feliz, duas filhas jovens e alegres, planos de viagens e passeios juntos, expectativa e projetos de vida para as próximas décadas que Adélia e José Paulo tinham estabelecido. Silêncio, dor, saudade. Agora junto de seus pais e irmã no céu, Adélia vive a ressurreição prometida por Jesus. Por ela e pelas mais de 560 mil vidas ceifadas pelo COVID, a esperança nas palavras bíblicas de Jesus, “meu Pai preparou muitas moradas aos seus filhos amados”.

 

Arte: VT

 

Vanderlei Testa jornalista e publicitário escreve aos sábados no www.jornalipanema.com.br

Contato: artigovanderleitesta@gmail.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Renata e Seide, duas perdas irreparáveis

Vá em paz, Bottesi !

Médico Fernando de Barros Oliveira, 50 anos de missão