As jabuticabas da Aurora e Jasmim na casa dos avós

 

As jabuticabas da Aurora e Jasmim na casa dos avós


A jabuticaba tem fama de ser uma fruta que faz bem à saúde. Intestinos e até colesterol estão na lista dos efeitos benéficos dessas bolinhas pretas e doces. Os pés dessa fruta estão presentes em todo o Brasil. Na casa de Maria Alice e Ivahy, fazem parte da história da família Barcellos há 35 anos. Nesta semana o Ivahy fez a sua colheita em baldes generosos de jabuticabas. Além de alegrar as suas netas Aurora e Jasmim, as frutinhas servem para uma brincadeira que os anos nunca apagam de suas lembranças. Aurora, menina com oito anos, embeleza com a irmã Jasmim, cinco anos, o jardim florido da casa dos avós. Elas são como parte das flores em delicadeza. As jabuticabas que Ivahy apanhou no pé se transformam em festa às meninas. Com a criatividade do avô, ele traça um risco de distância de uns dois metros do ponto de partida. Lá, Aurora e Jasmim degustam as jabuticabas e sopram os pequenos carocinhos da fruta na maior distância que conseguem. Uma espécie de competição e brincadeira entre os avós e elas, com muita risada e descontração. Os pássaros cantam nos galhos das árvores, os perfumes das flores dão o toque inesquecível de aroma ao ambiente e a sombra das jabuticabeiras acolhe todos em harmonia com a natureza. Um cenário de livro de contos de fadas infantis que se transforma em realidade. O avô Ivahy é produtor gráfico e elabora com criatividade as obras de centenas de autores em páginas coloridas. A avó Maria Alice, professora e artista plástica, sensível aos pincéis, artesã e criativa, faz a arte se transformar em paixão visual aos nossos olhos. O seu lar é um paraíso em detalhes, do portão de entrada aos cômodos e quintal enobrecido pela vida e natureza.

Essas qualidades dos avós vêm sendo transmitida às netas no transcorrer dos anos. Aurora, a netinha com os seus oito aninhos já escreveu um livrinho infantil e fez as ilustrações. A sua historinha que ela colocou o título ”Dia e Noite”, relata com ingenuidade infantil a vida de uma menininha chamada Dia que casou com a Tarde e teve uma filhinha mulatinha chamada Noite. É a imaginação pura de uma criança, escrita em folhas de papel no ateliê da avó. Desde pequenas elas são educadas em usar o tempo com arte e cultura. Usam os pincéis e instrumentos de criação em lápis de cor, papéis e telas. Certamente os frutos já estão sendo colhidos em sabedoria artística, que substitui o uso descontrolado do celular em jogos e passatempos desnecessários para as crianças. O exercitar arte puramente manual, além do desenvolvimento cerebral, traz sensibilidade no olhar e expressão radiante estimulada pela avó Maria Alice e compartilhada por Ivahy.

Tenho a alegria de conviver com Maria Alice e Ivahy há décadas.  Compartilho esta história de suas vidas em família, como uma homenagem ao mês de outubro que está começando e, ao Dia das Crianças que celebramos no dia 12.

Fotos: Jabuticabeiras da casa de Maria Alice e Ivahy

Vanderlei Testa escreve aos sábados no Jornal Ipanema e em suas redes sociais. Contato: artigovanderleitesta@gmail.com

 

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Renata e Seide, duas perdas irreparáveis

Vá em paz, Bottesi !

Correios presta homenagem ao Zé Maria, “Lolé”