Saudade não tem idade, Moura Neto

 

Saudade não tem idade, Moura Neto

O aumento dos casos de Covid-19 no mundo tem assustado àqueles que menosprezam o uso da vacinação de prevenção a esta pandemia avassaladora. Em Sorocaba, diariamente aumenta os infectados e os leitos de UTIs seguem a mesma proporção em várias unidades de saúde. A perda de amigos  e familiares é uma tristeza universal.  Há também os casos de perdas de pessoas que amamos por diversos motivos, sejam por acidentes ou de enfermidades e casos naturais da vida. Recentemente tivemos a partida do atleta Toniquinho Fonseca com 107 anos de idade. Ele viveu intensamente o dom da vida e realizou os seus sonhos de criança, juventude e fase adulta. Esteve presente com a família e comunidade. Antonio Antunes Fonseca: um verdadeiro apóstolo e missionário de fazer o bem à sua história vitoriosa. Certamente terá a sua recompensa divina.

Edgard Moura é um amigo empresário de Sorocaba que continua inovando nas suas iniciativas e transmitiu aos filhos a sua generosidade humana. O seu legado continua passando de geração em geração. O seu filho Edgard traz do pai em sua convivência diária, os ensinamentos na sabedoria. Seja em aprendizado profissional, nas músicas que produz em família, em canções como Giovana e Vanessa, ou em torcer com o coração para o mesmo time do São Paulo. Entra aqui uma relíquia eterna com as lembranças do filho José da Silva Moura Neto, o “Neto Moura”. Sua existência de vida entre nós foi de 44 anos. Nas emoções de seu amor pela música surgiu a produção de um CD (in-memorian), que o pai Edgard deixou de presente de natal aos amigos. Fui um desses amigos a ganhar essa preciosidade de 26 canções. Há em cada gravação um pouco da história dos sentimentos do jovem Moura Neto, idealizador desse projeto. Ao escrever estas linhas coloco o CD para tocar. A primeira canção de pai para filho, do Tim Maia, remete ao pensamento distante do nascimento do bebê Moura Neto. Um menino forte que deu o seu primeiro chorinho com alegria por estar neste mundo. Carregado com amor pelos pais e avós, lá estava abençoado com o dom da vida. O garoto cresceu com fé transmitida pelos familiares e seguiu o seu destino traçado pelo Criador. E como filho amado, tendo Jesus no seu coração, chegou aos 44 anos para cumprir a sua missão neste planeta Terra. O sempre jovem Moura Neto foi em vida, a alegria do sorriso, da ressonância da música e do carinho de filho e neto. Um torcedor que usava a camisa do seu time e exaltava o seu comprometimento de ser feliz com tudo o que Deus lhe proporcionava, sejam nas alegrias e tristezas, provações e esperança. Ele foi em paz nos seus 44 anos, como amigo e companheiro das horas mais difíceis. E nas palavras do pai Edgard, a frase “obrigado meu Deus pelos anos em que ele esteve ao nosso lado”.

 

Arte: VT

 

Vanderlei Testa (artigovanderleitesta@gmail.com) Jornalista e Publicitário escreve aos sábados no www.jornalipanema.com.br e redes sociais

 

Comentários

  1. Boa noite.
    Gostaria de dar uma sugestão.
    Que tal vc contar a história das torrefações de café de nossa cidade.
    Tanto as q estão na ativa como aquelas q já pararam, tais como, Café São Paulo, Café São Tomé , Café Sorocabano e se outras houverem tbm.
    José Mello

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Gilson Delgado atuou com foco no ser humano

Renata e Seide, duas perdas irreparáveis

Gratidão de dom Julio ao padre Jesus Flores