Apelo do Papa Francisco pede fraternidade no conteúdo ao ensino: A Fraternidade aos jovens

 

Em janeiro, Papa Francisco faz apelo aos educadores para ajudarem os jovens mais vulneráveis

 

 

O papa Francisco divulgou dia 10 de janeiro um vídeo com uma mensagem dirigida aos educadores de todo mundo pedindo um novo conteúdo ao seu ensino— A Fraternidade. Segundo Francisco, a educação é um ato de amor que ilumina o caminho para que recuperemos o sentido da fraternidade para que não ignoremos os mais vulneráveis. O educador é uma testemunha que não oferece os seus conhecimentos mentais, mas as suas convicções, o seu compromisso com a vida. É alguém que sabe manusear bem as três linguagens--- a da cabeça, a do coração e a das mãos, em harmonia. E daí a alegria de comunicar. E, eles serão ouvidos com muito mais atenção e serão criadores de comunidades. Por quê? Porque estão semeando este testemunho. Oremos para que os educadores sejam testemunhas credíveis, ensinando a fraternidade em vez da competição e ajudando especialmente os jovens mais vulneráveis. O vídeo está disponível no Canal YouTube, diz dom Júlio Endi Akamine, arcebispo metropolitano, bastando apenas acessar o www.youtu.be/OtJPG3B5JTc .

Volto no tempo em meu curso primário no Grupo Escolar Senador Vergueiro. Um ano antes na pré-escola, com cinco anos de idade, participei com um grupo de alunos da professora Maria Cecília dos primeiros ensinamentos de educação. Ela orientava desde a necessidade de escovação de dentes até o respeito que devíamos ter com os pais, irmãos e coleguinhas de classe. Em décadas de vida frequentando escolas e vivendo com os mais diversos tipos de educadores, entendo o que o papa Francisco pretende com a sua mensagem de reflexão sobre educação, um ato de amor que ilumina o caminho para recuperar o sentido da fraternidade. Penso nas comunidades de escoteiros, crianças e jovens que aprendem a viver a fraternidade humana, respeitando as pessoas de todas as idades. Quando assisto reportagens, em casos de atentados nas escolas, com estudantes ferindo e matando colegas e professores, sinto uma ‘dor na alma’ em pensar que a amizade e o amor cederam lugar ao ódio e revolta. Os professores se dedicam anos em estudos, estágios, aperfeiçoamento, se entregam à missão como educadores em formar gerações de homens e mulheres do bem, solidários e fraternos. Todos os profissionais de sucesso trazem em suas vidas uma educação que jamais será esquecida por eles, com o sentimento de gratidão pelos ensinamentos recebidos nos bancos escolares e na família.

Atualmente, ou há vários anos deste século 21, o “bullings” escolar se faz presente em salas de aula. Infelizmente, essa anomalia da sociedade moderna em julgar as pessoas por seu peso, aparência, jeito de ser ou estado social e físico, acaba por gerar preconceitos e discriminação. Os educadores são treinados a enfrentarem essas adversidades humanas. Cabe aos pais educarem os filhos em casa, dialogando e ensinando o valor de respeito ao próximo. Cabe aos educadores serem, como o papa Francisco afirmou:  ---- ensinar a fraternidade em vez da competição e ajudando especialmente os jovens mais vulneráveis.

O Vídeo do Papa Francisco

vídeo do Papa deste mês, que começa com a palavra fraternidade, escrita numa lousa como se fosse um tema didático, acompanha a reflexão de Francisco com a narração de uma história ambientada em uma escola. Um menino, deixado de lado por seus colegas durante as partidas de futebol, permanece sozinho num canto até que um professor, percebendo seu desconforto, decide cuidar dele. Ele o faz não com palavras, mas com o testemunho de sua vida: ele fica com ele, dia após dia, e com carinho e perseverança ele o ensina a brincar. Até que, numa manhã, ele o encontra com aqueles mesmos colegas que antes o haviam marginalizado: ele está brincando com eles e, quando marca seu primeiro gol, ele o dedica ao professor, a testemunha confiável que o ajudou.

educação é um ato de amor que ilumina o caminho para que recuperemos o entendimento da fraternidade, para que não ignoremos os mais vulneráveis.

Para o Papa, "o educador é uma testemunha que não oferece os seus conhecimentos mentais, mas as suas convicções, o seu compromisso com a vida".

É alguém que sabe manusear bem três linguagens: a da cabeça, a do coração e a das mãos, em harmonia. E daí a alegria de comunicar. E eles serão ouvidos com muito mais atenção e serão criadores de comunidade. Por quê? Porque estão semeando este testemunho.

Segundo o diretor internacional da Rede Mundial de Oração do Papa, pe. Frédéric Fornos, "novamente, diante dos desafios do mundo, o Papa Francisco insiste mais uma vez na fraternidade. É a bússola de sua Encíclica Fratelli tutti. É o único caminho para a humanidade, e é por isso que a educação é essencial".

 

 

Vanderlei Testa (artigovanderleitesta@gmail.com
Jornalista e Publicitário 
Escreve aos sábados no Jornal Ipanema e às terças no Jornal Cruzeiro do Sul

 

Comentários

As mais lidas

Lançamento na Fundec das edições dos livros Sumiko, de Áurea Piacitelli, terá música com instrumentos japoneses e piano

Podemos ser a asa amiga aos indígenas Yanomami com um voo até o site “SOS Yanomami”